sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Sem Rei Nem Roque

As nossas cidades aldeias, vilas e lugares, poderiam ser locais aprazíveis, no entanto e por causa de uma série de factores, não o são, na sua grande maioria são pardieiros infectos, réplicas subdesenvolvidas de um terceiro mundismo comezinho e pobre de espírito.

O jornal aqui da minha terra, no qual tive a honra de debutar para a escrita de croniquetas insalubres e maledicentes, foi lá que nasceu o “Barão da Tróia”, publica na sua última edição uma excelente peça sobre a incivilidade boçal dos habitantes cá do burgo, deixo aqui o link para a versão online, http://www.almeirinense.com/almeirinense/index_noticia.asp?id=1504.

É este o tipo de excelente trabalho jornalístico que deveria estar mais presente na imprensa regional, o Almeirinense, presta com esta peça um excelente serviço público, um serviço que informa, que expõe as fragilidades de uma população inculta, incivilizada e sem regras de civismo e respeito pelo próximo, está pois de parabéns o Almeirinense por este excelente trabalho.

Denunciar assim publicamente as características boçais de alguns, tendo ao mesmo tempo uma atitude pedagógica e de sensibilização é também uma das responsabilidades da imprensa regional. Porque mais próxima das populações que serve poderia servir às mil maravilhas para mostrar a verdadeira realidade de um país podre, no entanto por causas mais que muitas, regra geral a imprensa regional é um reflexo do país, pobre de espírito e mais preocupada com a roupa interior do sacristão do que com o ribeiro que corre cheio de lixo, enfim prioridades.

No entanto nesta peça o Almeirinense revela que é capaz de voos maiores, de conteúdos de excelência, pois que venham eles, aguardaremos por mais coisas de igual semelhança, com qualidade e que ponham a nu as barbaridades e atropelos civilizacionais que por cá se cometem.

Em relação à peça que motivou este pequeno escrevinhadeiro, deixem que vos conte, para quem não conhece aqui a terreola, que Almeirim é plana, completamente plana, minto, existe um pequeno desnível, mas tão ligeiro que nem nos apercebemos dele, além disso é pequena terra, que se atravessa a pé em passo normal em 20 minutos, parando aqui e acolá para cumprimentar algum conhecido, no entanto a maioria dos seus habitantes não sabe aproveitar estas benesses e entulha de carripanas as ruas, praças e pracetas, vias vielas e passeios, fazendo do percurso de um peão um autêntico jogo de computador.

Não há muito tempo a maltinha aqui do burgo andava de monco no nariz, de carroça e a pé com a bota de cardas de sola rota e porém era feliz, uma felicidade que se via no sorriso franco dos cumprimentos matinais, na limpeza e asseio das ruas, no brioso comportamento, eram pobres mas felizes.

Hoje são ricos, tem carro, gastam horas e fortunas em combustíveis, mas estão tristes e amargurados, as ruas estão sujas e as hordas selvagens de veículos que entopem as nossas ruas fazem lembrar os subúrbios manhosos da capital, definitivamente o habitante Almeirinense, abastardado pela gula e ganância deixou de ser o povo franco e pranzenteiro do Ribatejo e passou a ser um desenraizado suburbano sem civismo, sem respeito pelos outros e sem amor pela sua terra.

Esta excelente reportagem de “O Almeirinense” traz a terreiro uma situação onde a torpe boçalidade e falta de civismo das pessoas, esconde o que de bom ainda existe nelas, era importante que mais coisas desta igualha viessem a público, para educar, para despertar as consciências e para vergonha dos néscios e asnos que por aqui habitam. Parabéns ao Almeirinense por uma excelente peça de trabalho jornalístico.

Um abraço, deste vosso amigo

Barão da Tróia

14 comentários:

Isabel-F. disse...

Gostei de ler ... o teu texto e a reportagem do jornal ... que aplaudo ...

o que se passa acontece um pouco por todo o lado ...

gostava que no local onde vivo (Azeitão) ... tb houvesse um jornal que falasse dos podres da região ... infelizmente não há ...

bom fim de semana
bjs

Andreia do Flautim disse...

É a realidade!

Blossom disse...

Votos de um excelente fim de semana

Até segunda :D

sandes-de-coirato disse...

Está tudo dito. E se o Almeirinense quiser tem exemplos que dão para encher páginas e páginas...

Bom fim de semana.

peciscas disse...

A imprensa regional tem um papel a desempenhar que é insubstituível.
Já passei algumas vezes por Almeirim, reconheço o retrato que fazes, mas nunca parei...

RCataluna disse...

Cada vez gosto mais da imprensa regional. É dos poucos sítios onde ainda se lê notícias a sério. Excelente artigo, como é habitual!

Abraço e bom fim-de-semana!

tron disse...

Amigo boçalidade não falta em Portugal ,basta ver os concursos de cultura gerla na tv, a submissão aos poderosos entre outros bons exemplos

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Barão:

Parabéns ao jornal e a si por aqui salientar estas mais valias que ainda vão aparecendo.
Passe um óptimo fim de semana e não se abstenha... VOTA BEM!

Um abraço,

Professorinha disse...

Almeirim... acho que conheço. Devo ter passado por lá numa das minhas aventuras professorais.

Gostei de ler o texto :)

Maresi@ disse...

Parabens pelo texto e ao Jornao regional... um dos poucos ainda "puros" e verdadeiros...

Grata pela visita ao meu recanto

Beijo suave___Maresi@

José Alberto Mostardinha disse...

Uma boa semana amigo Barão.
Um abraço,

gato_escaldado disse...

Excelente o texto e a reportagem. Um abraço

musqueteira disse...

...dignissimo barão de troia, prefiro o Rei ao rock;)e já agora, na cidade das tintas... não há carros mal estacionados!... só mesmo mais por lá... pois aqui em lisboa ainda antiga... há ainda carros assim agrafados a passeios e a janelas bloqueando por vezes portas ora sim ora não;)

francis disse...

Pessoalmente, apesar de concordar contigo, acho que a tarefa do "Almeirinense" é inglória. O português tem a cabeça dura e só se consegue meter qualquer coisa lá dentro à cacetada!!!