quarta-feira, janeiro 06, 2010

Incentivos à Natalidade – Subsídios para o entendimento da estupidez Lusitana

Esse sorvedouro de dinheiro públicos que dá pelo nome de Transportadora Aérea Nacional, vulgarmente mais conhecida por TAP, decidiu premiar uma dezena de funcionárias que estiveram de licença por gravidez, com a sua não inclusão no sistema de prémios de produtividade, porque estiveram ausentes. Pior ainda, o Governo deu o seu aval a esta exclusão, permitindo assim, que a discriminação ainda fosse maior.
Ora aqui está um belo exemplo de incentivo à natalidade. Numa altura em que a demografia portuguesa toca a finados, com sorte daqui a cem anos estamos extintos, numa altura em que parece que nem a estrangeirada que por cá aterra serve para aumentar o número de gente nascida neste fim de mundo, a maior empresa pública e o próprio Governo dão um excelente exemplo à Nação, este sim um verdadeiro exemplo de incentivo à natalidade.
Escudar-se na aplicação de uma qualquer lei idiota, para cometer este acto cretino, é de uma vergonhosa cobardia intelectual, sancionar esse acto é, para ser o mais cordato possível, uma enorme estupidez, leia-se estupidez colectiva. O que nos leva a pensar ainda pior sobre a súcia de galfarros que ocupa os lugares de poder.
Então, neste tipo de situações, não se deveria ao invés de amputar os direitos, aumenta-los, promove-los e incentiva-los, belo exemplo que dão ao resto do país sem dúvida, essas mulheres são heroínas nesta tragédia cómica de país, deveriam ser acarinhadas e protegidas, ao invés, empresas públicas e Governo fazem precisamente o oposto.
Recordo ainda aquela ridicularia, do senhor Primeiro-ministro assaltar os ecrãs televisivos para anunciar que o Estado Português pretendia gratificar cada nascimento com uma conta poupança de duzentos Euros, ou seja o equivalente a um carregamento de fraldas para um ano, partindo do principio que o bebé não é muito cagão, ora como para cagar e mijar a criança precisa de comer, bem poderão os pais limpar o cu aos duzentos euros, que serviram para muito pouco. A isto chama-se aqui na terreola, ideia de merda!
A atitude cretina, imbecil e estúpida do acto de cortar o prémio a mulheres que escolheram assumir a maternidade e dar ao mundo uma criança, é típica deste país de faz de conta, onde continuamos a presumir e a pretender o que não conseguimos alcançar ao invés de olhar ao que de forma simples podemos fazer para melhorar a vida das pessoas, este exemplo deveria também fazer pensar as cavalgaduras, sobre como realmente combater o défice demográfico, ao invés de apresentar pretensas medidas salvadoras, que não passam de dejectos vomitados pelo pouco intelecto e alcance de quem se promove como sendo dono da mais insigne sapiência.
Pode ler a notícia aqui!
Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia