segunda-feira, junho 16, 2008

Fragilidades

Com a recente greve, paralisação ou o que lhe queiram chamar, ouvimos mais uma anedota parlamentar, o senhor primeiro-ministro diz que sentiu o país vulnerável. Quase morri a rir, foi a melhor anedota que ouvi em muitos meses. Ó senhor primeiro-ministro, o ilustre amigo anda com certeza distraído, não é loiro, mas é um pouco distraído, então o país está vulnerável, por meia dúzia de camionistas, com razão ou não, nem isso vem ao caso, dizia eu, que o país fica vulnerável por uma arruaça sem importância, descontando a infeliz morte de uma pessoa, onde meia dúzia de gatos-pingados gritam e tal e outros tantos faz tudo para furar o protesto, numa atitude típica à portuguesa.

É isto o seu vulnerável, imagino o que não diria o senhor se a paralisação fosse realmente algo sério, como fazem ali na Europa, olhe pergunte ao seu amigo Zapatero ou ao camarada Sarkozy, pergunte-lhes como são estas coisas quando levadas a sério, vossa excelência sentiu o país vulnerável, pergunto-me porquê?

Não lhe parece que por exemplo, o facto de termos uma Justiça miserável, ineficaz, despesista e mal habituada a mordomias, não traz vulnerabilidade para o país.

Não lhe parece que possuirmos umas polícias absolutamente indigentes, alvo de chacota permanente, que por vezes reagem mal, por falta de preparação e superior orientação, de possuirmos uma PJ, completamente manietada e politizada, com elementos que muitas vezes mais servem a interesses obscuros que a Justiça, não lhe parece a si que é o primeiro dos ministros que isto é algo que verdadeiramente traz vulnerabilidade ao país.

Não lhe parece que as maternidades sem segurança absolutamente nenhuma, diga-se que conheço quatro serviços de maternidade e o único que aparentemente funciona devidamente é o da Estefânia todos os outros três são uma anedota em termos de segurança, são realmente algo que é verdadeiramente vulnerável, em que os hospitais esperam fundos comunitários para poder instalar meios de segurança dignos desse nome, na costumeira atitude de pedinchice que já nos caracterizou perante a Europa.

Não lhe parece que possuirmos um sistema de socorros a náufragos e busca e salvamento completamente anedótico e terceiro mundista, em que um navio em apuros a 30 metros da costa vê os seus tripulantes perecerem por uma absoluta falta de coordenação e meios, não lhe parece que isto é que é estar vulnerável.

Não lhe parece que possuirmos um sistema de combate a incêndios que roça o imbecil. Onde corporações que vivem do voluntariado, ai se não fossem eles, combatem incêndios com carros com 30 e 40 anos, com falta de tudo, num país onde se gastam milhões em cretinices como submarinos.

Não lhe parece que possuirmos, o mais absurdo e despropositado sistema de comunicação entre as várias instituições, um país onde é mais fácil falar com uma esquadra de Ugadugu do que com o carro patrulha do bairro, não será isto um sintoma de um estado vulnerável.

Não lhe parece que possuirmos, algo a que chamamos economia, e digo algo, porque na realidade não temos economia, disso se certificaram os vários governos que desde 1986 nos têm tentado enviar para o mais profundo dos infernos, fazendo de nós o país da Europa comunitária que mais atreito está a sofrer com qualquer meia crise que surja, não lhe parece senhor primeiro-ministro que isto sim é que é vulnerável.

Não lhe parece que possuirmos um sistema de educação absolutamente miserável, onde há muito que ninguém aprende nada, em que tudo no sistema de ensino aponta para meras preocupações estatísticas, com evidente prejuízo do país e das futuras gerações. Não lhe parece que isto é mesmo vulnerável.

Continuaria quase que indefinidamente a falar de vulnerabilidades sérias, que este pardieiro a que chamamos país tem, vulnerabilidades que ninguém parece querer resolver, dizer pois que sentiu o país vulnerável por uma situação ridícula como esta grevezinha dos camionistas, é na minha humilde opinião, senhor primeiro-ministro revelador de uma muito grande distracção em relação ao país real do que vosso senhoria é governante.

Um abraço, deste vosso amigo

Barão da Tróia

7 comentários:

Rosario Andrade disse...

Bom dia Barao!
Nem mais!!!!!!!! o pais esta de rastos, exangue, em semi-coma,quase sem pulsaçao, em hipoxia. Necessita de ser ligado ao ventilador e a outras medidas essenciais de suporte...

Beijicos

deep disse...

O país está vulnerável há muito tempo, mas o senhor ministro e o seu séquito preferem assumir uma atitude autista, porque é mais confortável e, assim como assim, a vulnerabilidade não chega a tocá-los!

Isabel-F. disse...

tens toda a razão nas questões que aqui colocas ...

bjs

Anónimo disse...

ESte PM é um lirico.
Ou foi feito num dia festivo ou então ........
Vulnerável estamos todos NÓS (PORTUGUESES) com este GOVERNO.
Existe mais que razões para não se gostar deste PM.
Diz o mesmo PM que a UE precisa do TRATADO de LISBOA, pois........
E os PORTUGUESES precisam de ser TRATÁDOS como.......
Raios os parta
touaqui42

Å®t Øf £övë disse...

Barão,
Não faças tantas perguntas assim ao nosso primeiro, especialmente sobre temas que não interessam nada. Ainda se lhe perguntasses se continua sem fumar, ou há quanto tempo não fuma... isto sim são perguntas relevantes, e de interesse público...
Porque essas perguntas todas que fazes, só ajudam a desviar as atenções dquilo que realmente interessa.

:)

Abraço.

Abril disse...

Ainda vi jeitos de os seguranças do "artista",pegarem no homem e mais a malita com a roupa e mandarem a "peça" para dentro de um avião militar,como fizeram ao amigo Bush no 11 de Setembro.
Tinha sido a nossa sorte.Com o boicote e a "terrivel ameaça" que assolou o país,podia ser que a aeronave não tivesse gasolina e o engenheiro viesse por aí abaixo e só parasse na Herdade dos Gagos.Pelo menos ficavam lá todos juntos.Agora por Gagos, alguém sabe o que se passa ou vai passar por lá?Tenho que perguntar aos vereadores da Camara,se é que eles já leram os jornais ou viram a televisão.....

Ana disse...

Acertou em TODAS, caro Barão.
Excelente análise.

Abraço