segunda-feira, outubro 29, 2007

Diário de Férias II Os Labregos

Chegaram em estilo, monovolume da moda, cheio de extras, ele sai do carro, calção de praia comprado a peso de ouro, sapatinho de vela, farripa empastada de gel arrepiada para trás, óculos escuros fashion, bronze a condizer, rapa do paivante atiça-lhe a mecha, amarfanha o maço e não vai de modas, chão. Isto quando a menos de 35cm se via uma papeleira, daquelas amarelas amarrada a um poste de iluminação.

Ela, de loiro platinado, arcaboiço de dondoca, loiríssima excepto as sobrancelhas e a raiz do cabelo, saco de praia, fatiota completa, toalha enrolada à anca volumosa, fios brincos e anéis, tipo montra de ourives ambulante de outros tempos, lulu rafeirolas ao colo, generosa de busto e repintada com camadas sucessivas de reboco, arreia o rafeiro que ali mesmo posta uma supimpa, cagadela, apanhaste tu? Pois nem a madame, a bosta do rafeireco lá ficou para que algum otário, possa lá atascar o pedúnculo.

De trás saem três fedelhos, o mais velho para aí com 14 anos, loiríssimos, vestidinhos com os chanatos de plástico da moda, pranchas de vários modelos, a piquena debicava enfastiada um bolicoiso, cujo invólucro ficou a enfeitar a ruela, entre os três faziam mais barulho que uma vara dos seus homónimos de quatro patas, daqueles que ainda se vêem mansamente boletando nos montados do Alentejo. A carripana como estava ficou, que interessa se fica mal estacionada, se fica a ocupar um espaço onde cabiam dois carros de igual tamanho, que se lixe, temos de ir que se faz tarde, são 09.35h da matina e a praia espera-nos, poderemos ainda torrar mais ao Sol, os colegas lá do trabalho ficaram ruídos de inveja, em cima do tablier, meio de esguelha mas ainda assim relativamente visível um cartão de autorização de estacionamento de uma unidade hospitalar da capital cá da parvónia, com o nome de Dr. Qualquercoisa, que o nome não vem ora ao caso.

Um quarto de hora depois, já tomei o café da ordem, dei uma debicada no jornal, acendo uma pirisca e boto-me a olhar o infindável mar, gaivotas que esvoaçam errantes, guinchando aqui e acolá, reafirmando a posse do seu território, lá em baixo já se topa a algazarra, dos veraneantes, a saudável gritaria da infância por junto com o trautear melodioso das conversas das comadres, das raquetes de bolinhas, coisa irritante e do marulhar das ondas.

Frente ao tasco onde estou, acompanhado com o amigo Zé, pára um carripano da moda, todo cheio de asas e saias e cromados, lá de dentro brota um infernal barulho, parece uma tempestade de alto mar, ao volante um rapazola de cerca de 30 anos, com o barrete oficial dos indígenas desta laia, o inefável brinquinho de brilhante à Ronaldo, e aquele ar de grunho que estas criaturas todas apresentam, do outro lado salta uma moçoila, calça justíssima, fio dental, a eterna tatuagem do golfinho azul, um penduricalho atacado na penca, também com o ar típico da fêmea desta raça, do banco de trás saltam dois fedelhos, mais uma matrona gigantesca e um pintas, de barrete igual ao do condutor, soquete branco, camisa aberta e fio de ouro da grossura de um cabo de amarração, acto instintivo, larga uma valente escarradela, compõe a calça e acomoda a tomatada, das traseiras fazem sair os inevitáveis cestos e cestas, geleiras e chapéus-de-sol, bolas e baldes de praia.

Entretanto o condutor, que até ali, tinha estado parado em cima de uma passadeira em plena via, impedindo assim os outros de passar, arranca, num verdadeiro arranque de campeão de estrada, sobe o passeio, encosta bem para a malta que vem a pé não poder passar e ter de ir para a estrada e lá vai ele, todo pimpão, orgulhoso da calçola largueirona, o barrete de ar parolo e as tatuagens étnicas, que se lhe perguntarem o significado ele nem sabe. Procurei rasto de cadeirinhas para transporte de crianças, mas nem cheiro delas, o papá fumava dentro da carripana, os putos apanham com certeza com a fumarola, que diabo só lhes faz é bem para criar resistência.

Olhei para o amigo Zé e rimos os dois a bandeiras despregadas, uma das coisas com piada durante este tempo de praia é estar assim, numa esplanada a ver as marés de Labregos que desembocam nestas praias abençoadas, quando se está atento a esta avifauna, é que se percebe a quantidade de labregos que habitam neste país, uns mais doutorados outros menos mas todos irmanados na labregada, todos labregos todos iguais.

Um abraço, deste vosso amigo

Barão da Tróia

24 comentários:

Menina_marota disse...

Olá!

Convosco ri-me eu... mas a bom rir... recordando certas cenas que vejo aqui na minha zona do Litoral, que me fazem encolher toda ( e olha que eu sou pequenita... eheh)mas com uma vontade louca de perguntar se lá na "terra" deles são assim mal educados...

Grata pelo humor, de cenas diárias que infelizmente continuam a acontecer.

Um abraço
;)

Cucagaio disse...

Afinal sempre fugiste para o "allgarve"?

Abril disse...

Ficou o meu AMIGO Barão nas bancadas,porque caso tivesse ido lá para baixo para a ARENA...Teria assistido ás colhidas a que somos sujetos,desde as boladas nas fuças,acompanhadas do inevitável "Desculpe"...até á plantação de paus de gelado,beatas com o focinho atascado na areia,caricas e algumas camisinhas deixadas na noite anterior....Isto em terra.

Porque no mar é digno de ser visto os "patas negras" com a água até á cintura,paradinhos a ferrar a sua mijadela á beira mar.
Eu por mim andar de molho,só a uma ou duas milhas da costa...mesmo assim sempre com o "gargalo" no ar,não vá vir algum cabrão com uma mota de água.

ISTO É TURISMO DE QUALIDADE.

Um abraço e uma vez mais parabens.

arco-Irís disse...

Olá, somos a equipa Arco-íris e fazemos parte do projecto "Olá Almeirim" que visa apoiar a Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Visita-nos em: arcoirisalmeirim.blogspot.com

missixty disse...

O pior nisto tudo é que eles nem se apercebem do que fazem, uns atênticos cromos!

Anónimo disse...

Óh PÁ, como diria o PM.
Explicastes e bem o presente neste País.
A falta de respeito pelo próximo dos novos chicos espertos.
Claro que me ri com vontáde, pois podes crer que o mal é geral na falta de educação dos veraneantes chicos espertos.
Falta de educação pois claro é a forma de estar dos NOVOS RICOS.
Aqui no Norte é a mesma cena no Verão, passeios cagádos pelos cãezinhos que as senhoras passeiam, é a malta a pisar a merda que os mesmos cãezinhos fizeram e as madames ainda acham que teem razão.
Dá para rir mas também dá vontáde de as mandar áquela banda.
touaqui42

Utzi disse...

Tu és mesmo gozão... :)

Boa semana, um beijinho.

Capitão Merda disse...

Ehehehehe!
Estamos na República da Labregónia, que queria você, Barão?

Tia Cremilde disse...

... e viva a labregagem!

Blossom disse...

Passei para deixar votos de um happy halloween, bom feriado, e, se for caso disso, bom fim de semana prolongdo :)

Betty Branco Martins disse...

olá Barão

Ao ler o teu texto tive a sensação de um "déjà vu" numa esplanada de uma qualquer praia deste mundo______mas o que é incrivel como o problema da "labregagem" se espalha pelo mundo fora________tipo: vírus!!!

Adorei o texto:))

Beijinhos
bomFeriado

karla disse...

♥•.¸¸.•♥´¨´♥~•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥´¨´♥´¨´♥

.....@@.........
...@(´;´)@......
0==/--\\==0.....
.../_!_\\..........
..._| |_.......
Beijusssssssss e Happy Halloween

♥•.¸¸.•♥´¨´♥~•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥´¨´♥´¨´♥

♥≈Nღdir≈♥ disse...

Gargalhadas aterradoras soam no ar, andam por ai bruxas a enfeitiçar
Bruxedos, encantos, magias…
Cuidado!!! Não se deixem apanhar!!!!
(`“•.¸(`“•.¸ ¸.•“´) ¸.•“´)
♥ HAPPY HALLOWEEN ♥
(¸.•“´(¸.•“´ `“•.¸)`“ •.¸)

A Feiticeira do Fantasy
www.fotosdanadir.blogspot.com
--
O Feitiço do Just Feelings
www.ridanfeelings.blogspot.com

Alien David Sousa disse...

Olá Barão


"o papá fumava dentro da carripana, os putos apanham com certeza com a fumarola, que diabo só lhes faz é bem para criar resistência. " lol lol

É para rir mesmo. A estupidez tem este efeito sobre mim. E eu fumo. Não dentro de um carro com crianças.


As cenas que descreveste são hilariantes e tristes ao mesmo tempo.
O atirar para o chão a porcaria que podia ter sido colocada no lixo.

O desgraçado do cãozinho...

Enfim, observaste o comportamento humano no seu pior.

Beijinhos

Professorinha disse...

Olha que eu não tinha aguentado tanto tempo a ver tanto labrego... Essas coisas irritam-me... É incrível a quantidade de idiotas dão à costa...


Fica bem

Odele Souza disse...

Passando pra te deixar um abraço.

Odysseus disse...

Portugal, cromos e caramelos, é o nosso país.

Ana disse...

O melhor neste blog é que sempre que venho cá, consigo rir-me e ficar bem disposta! Um bom post, sem dúvida ;)

Bom fim d semana!

Andreia do Flautim disse...

Olá!

Espero que tenhas tido bom feriado!

S disse...

Olá Barão da Tróia,

De todos este post mordaz, como não podia deixar de ser;-) saltou-me à vista a frase "durante este tempo de praia é...". Diga-me por favor que "este tempo de praia" se refere ao já finado Verão e que este post é uma recordação de há dois meses. Confirme-me isso por favor, senão vou ali atirar-me ao canal de Bruxelas... Bom fim-de-semana, Sofia :-)

Vitor Figueiredo disse...

Mais fácil, rápido e barato constituir a associação.

Associação na hora.

No Portal do Cidadão

Å®t Øf £övë disse...

Barão,
ESPECTÁCULO... esta tua descrição.
Quem é que de nós já não se cruzou com esses labregos...
E infelizmente, é como dizes... são mesmo muitos... são mais que as mães...
É o que temos...
Abraço.

Anónimo disse...

Boas... o mais triste disto tudo é que é mesmo uma questão cultural. Não há o mínimo esforço... Labregos há muitos... Bem haja. Liberdade Sempre. EHt Refrus

bluerussian disse...

Par não variar, Barão, excelente, como sempre. De rir a matar, mas enfim, a nossa triste realidade.
Perdão pela minha ausência.
Saudações!