segunda-feira, agosto 06, 2007

Esteve bem a Câmara de Almeirim!

Correndo o risco de enxofrar muita gente, esta não posso, deixar passar em claro. A mim sempre me fez confusão a mesquinhez, a má formação, o preconceito e a tacanhez das pessoas, azar o meu vim nascer num país onde existe disso às carradas.

Corre o ano da Graça do Senhor de 2007, quando uma ilustre Almeirinense, a Cristina Branco, vem cantar à borla, em prol do Centro de Recuperação Infantil de Almeirim, o Crial, que se ocupa da prestação de cuidados a crianças e jovens portadores de necessidades especiais, vai daí, e bem, a Assembleia Municipal propôs à votação a atribuição da medalha de oiro do Concelho, a alguém que, os mais atentos já viram inúmeras vezes nos seus concertos fazer sempre uma referência a Almeirim, alguém que habituada a ser uma cidadã do mundo precisa tanto da medalhita, como de uma dor de dentes, mas como não fica mal e estas coisas honoríficas são para ser atribuídas, lá veio a proposta.

Aqui começa a guerra, uma guerra diga-se mesquinha sem lógica e exemplificativa da pequenez das mentes politiqueirotas locais, o ano passado a Cristina dera uma entrevista a um jornal local, onde dissera; “…“Sou uma cidadã do Mundo. Estou ligada a Almeirim por questões meramente circunstanciais. Tenho lá o meu filho e tenho a felicidade de ter lá os meus pais que me ficam com ele nas minhas ausências. Gostava de dizer que Almeirim é a melhor terra do Mundo mas de facto não é. Voltaria sempre lá porque estão lá as pessoas de quem gosto, mas só por isso”, salientou na altura Cristina Branco…”

Pois compreende-se, quem conhece o mundo depressa percebe o que aqui faz falta, em termos de civismo, cultura, qualidade de vida, infra-estruturas e bem-estar social. No entanto eu levo isto mais como um desafio, do que como uma crítica sarrafeira, confesso que em parte, até partilho do ponto de vista da Cristina, ponto de vista que deveria fazer os autarcas e todos os eleitos municipais pensar e pugnar para que as coisas boas sejam feitas, ora a Câmara Municipal por intermédio da Assembleia Municipal, parece e bem, ter levado a coisa, por essa vereda do desafio, e aceitando o desafio resolveu atribuir a medalha, e bem, à Cristina Branco.

Pasmem-se agora caros leitores, que das bancadas de alguma da oposição, veio a abstenção, porquê, pergunto eu? Por causa de ter assumido e dito aquilo que pensa? Por ter dito que esta terra não é o paraíso? Meus senhores e senhoras, tenham dó, não insultem os nossos poucos neurónios. Assusta-me esta gente que é eleita e demonstra tão estreiteza de espírito, alguns deles conheço são amigos, mas esta atitude é vergonhosa, para mais são gente que conhece bem a Cristina e o que ela tem feito pelo nome de Almeirim, caramba, absterem-se por causa de uma insignificância! Rematou bem a Câmara Municipal de Almeirim, que resolveu e bem dar a dita medalha, independentemente das tais vozes.

Foi mais uma tirada brilhante, foi a demonstração cabal de que a Cristina está certa nas afirmações que faz, pior é que há gente que os elege, como? Porquê e para quê? Para fazer tristes figuras destas mais valia não estar lá ninguém, com franqueza!

Um abraço deste vosso amigo

Barão da Tróia

10 comentários:

António Lisboa Gonçalves disse...

Ainda bem que disse o que pensava, apesar de com isso ter mandaddo a medalha às urtigas!
Cumprimentos

Capitão Merda disse...

É o trivial de todas as terras...

Anónimo disse...

Esta é boa! Porque razão o nome da Cristina Branco foi vetado para madrinha da Confraria? Talvez fazer "post" sobre os boys da ALDESC. Que concursos foram feitos?

Barão da Tróia II disse...

Senhor ou Senhora Anónimo, vossa excelência deverá com toda a certeza andar a beber vinho estragado, aconselho um Planície Tinto servido a 18º,excelente produto aqui da Adega de Almeirim, aconselho também uns sais de fruta, para combater esses acessos de bílis, tenha cuidado caro amigo ou amiga, isso é perigoso, transtorna as meninges ataca o estômago e gera humores malévolos na tripa.
Quanto à Cristina Branco como madrinha da Confraria, não sei onde é que vossa excelência ouviu tal novidade, olhe eu fui um dos fundadores da Confraria e nunca ouvi, semelhante proposta, vossa excelência é concerteza um ou uma, desses visionários com o dom da premonição, auguro-lhe um excelente futuro, monte uma barraquinha na feira a ler a sina e vai ver, enche-se de dinheiro!
Com relação aos tais "boys" a que vossa excelência alude, terá de perguntar à Aldesc, porque eu não sei. Alias nem me interessa, deixo isso para pessoas de inteligência acima da minha como vossa senhoria parece ser, pessoas preocupadas e deligentes, lanço-lhe o repto, atire-se à Aldesc, esmiúçe, investigue, questione, vá-se a eles como gato a bofe, força, dê-lhe forte para doer mais, é de gente assim inteligente, feroz, interessada, como alias o soberbo post que aqui deixou demonstra, que nós precisamos.
As questões que vossa senhoria, levanta podem ou não ser pertinentes e necessárias, a primeira não. É uma asneirada pegada, mas qualquer delas, não disfarça nem compõe um facto indismentível, a abstenção dessa oposição a que vossa excelência claramente pertençe, foi uma das coisas mais lamentáveis dos últimos tempos e esse é um facto consumado que não admite reparo, foi assim uma coisa à laia de tiro num pé.
Um último reparo, para a próxima, tenha vossa excelência a delicadeza de assinar com o seu nome, é de todo importante saber quem faz alarde de tanta sapiência e pundonor, é que assim, vossa senhoria não passa aos olhos de quem o lê de um qualquer "anónimo" borra botas", quem o ler dirá seguramente,que vozes de burro não chegam ao céu.

Creia-me um seu dedicado servidor

Barão da Tróia

Capitão Merda disse...

Caro Barão:
Não me oferece uma dessas garrafas de vinho de que fala no comentário anterior?
É que já ia...

Things disse...

Olá:)
Bons comentários, opiniões que sempre aqui se podem ler.

Um fresquinho quinta do carmo, branco, (tem aquele gosto particular a banana, sem casacas..risos)..também pode ser um vinho adequado?

:) sorriso e bj

Boa semana
S.

Things disse...

errata: casacas não fica mal ..mas cascas...rss

abril disse...

Amigo Barão:

Falas em oposição mas era bom que se soubesse qual...Claro que com uma atitude destas só podem ser "projectos de politicos".Gente que quando fossem grandes,queriam ser politicos.

Daqui a uns anos a população de Almeirim continua a saber quem foi a Cristina Branco e ela como alguns que conheço, não dizem que são de perto de Santarem,ela como alguns que conheço,quando questionados se Almeirim é uma terra perto de Santarém,repondem que Santarém é que fica perto de Almeirim...

Dela toda gente se vai lembrar,destes "projectos"já hoje ninguem sabe quem eles são.Isto por uma unica razão.ELA É BOA NO QUE FAZ,ELES NÃO PRESTAM.

Em termos musicais,não passam de "politcos"pimba...

Um abraço

Anónimo disse...

Pois amigo Barão, existe sempre os amigos de Peniche não é verdade.
Só se lembram dos amigos quando as eleições estão por perto.
Essa do anónimo ir beber vinho estragádo quem sabe se já não bebeu coitádo.
Está de diarreia o infeliz.
Se não lhe deram a medalha e ela confiou na sua honestidade e disse o que sente e sentia fez muito bem.
Este País está precisando que haja honestidade e não amigos da ONÇA.
Que não lhe caia a lingua na sua verdade.
touaqui42

filho adoptivo disse...

fSerá por recalcamento, ou por servilismo?
Será por convicção própria ou porque assim manda a lógica da máquina partidária?
Ou será tudo isto junto que, mexido, remexido e amassado deu em fermento excessivamente azedo? Ou será que o azedume de "certos alguns" deriva apenas do desespero de quem nunca levou mais longe que a Casa da Guarda ou que a Compal, ou que o Joaquim da Adelina o nome da cidade de Almeirim?
A Cristina Branco é mais que provável que me não conheça, mas eu, apesar ser apenas "filho adoptivo" de Almeirim, sinto que é meu dever conhecê-la e dedicar-lhe pelo menos o mesmo carinho que a qualquer outro ou outra que com a sua arte, com mais ou menos fama transportem consigo o nome desta terra.
Agora, o facto de se gostar desta cidade, de se gostar de cá viver, e até de nos sentirmos por ela "adoptados", sejamos legítimos ou não, nada disto nos obriga a mentir a nós mesmos em nome do politicamente correcto. De facto, Almeirim não é a melhor terra do mundo nem sequer a mais bonita, e quando já se deambulou pelas mais diversas paragens, ainda que queiramos sem qualquer dúvida que aqui seja o nosso "cais de abrigo", acabamos por nos sentir cidadãos do mundo, e vamos de forma inconsciente gravando indelevelmente dentro de nós mesmos outros valores, outras vivências, e porque não dizer sinceramente que outros amores nos vão enfeitiçando e impregnando de riquezas novas que connosco viagem discretamente, quase clandestinas que como soldados em cavalo de pau, se infiltram na cidade "Capital da Sopa da Pedra" como eu gosto de lhe chamar, e como lhe chamo amiúde lá por fora.

P.S. Disse propositadamente "cavalo de pau" e não Cavalo de Tróia, já para evitar que alguma mente mais “imaginativa” me interpretasse mal.

Boas férias para o Barão.
E já agora, traga-nos um pouco da beleza de uma qualquer terra que visite. Pode assim, e em simultâneo, aborrecer os que negaram a medalha à "nossa" Cristina Branco, e aos outros como eu, transmitir a alegria de podermos ficar a gostar de mais uma aldeia, vila ou cidade de aquém ou de além fronteiras.