quinta-feira, agosto 03, 2006

Dois a um ganha a estultice!

Entre a resma de coisas mais ou menos estúpidas que ouvi recentemente, uma deixa-me triste, vão levar o Museu da Força Aérea para Sintra. Porquê para Sintra, porque não para Beja ou Monte Real, esta é uma daquelas coisas estúpidas que não percebo, voltamos à concentração, uma destes dias acordo e os 1º milhões de Portugueses vivem em Lisboa e naqueles arredores infectos e depressivos, porque raio tem de ir tudo para aqueles lados, caramba começo a estar um bocado com o Bimbo da Costa, “ eu só quero ver Lisboa a arder”, fiquem descansados que por mim o Porto pode seguir o mesmo destino.
Outra situação ainda mais estúpida é aquela, que com base na alegada criação de não sei quantos empregos, da treta, 100 hectares da zona mais bonita e fértil deste país que é a infeliz Lezíria do Ribatejo vai ser transformada numa cretinice qualquer, quer dizer não basta a outra besta andar a arrancar sobreiros dando cobertura aos amiguinhos da bagalhoça, claro que não lhe aconteceu nada, não baste a ideia de merda, apadrinhada por esse engenheiro de meia tigela, para a mata de Sesimbra, que a ser construído, significa somente o inicio da destruição da costa Alentejana e o que resta da Vicentina, não basta os 15 milhões de Euro gastos na consolidação das arribas da Figueirinha e Galápos, por causa das bestas que não respeitam a costa e que agora pagamos todos, não basta nada disso, agora ainda vem mais este atentado, que grande corja de imbecis que anda nesta terra, valha-nos um qualquer Deus.
Para que não digam que sou um arauto da desgraça, esta que se segue é um excelente exemplo daquilo que é o progresso, Mora construiu uma espécie de oceanário, mas de água doce, recriando os habitats, dos depauperados rios de Portugal, enquanto ainda existem espécies para proteger, cerca de 70% das espécies piscícolas dos nossos rios estão em risco, claro com a quantidade de merda que atiramos par dentro de água é normal, estranho seria se a inversa fosse verdadeira. Este fluviário recriara os habitats de água doce do nosso país, será também utilizado como ponto de viveiro produzindo alevins para a reintrodução no meio natural. Um belo exemplo, daquilo em que é preciso apostar, para criar emprego, para salvar o pouco que resta, para garantir o tão apregoado desenvolvimento sustentado, visitem Mora.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

16 comentários:

Luz Dourada disse...

Pois é! Parece que o país ficou reduzido a 2 ou 3 cidades...
Por onde andará a tão falada descentralização???

Bj,

Anónimo disse...

Ora aqui temos uma noticia boa, mora com oceanário com espécies de peixes para dar e para vender, quanto aos terrenos de Alverca (Museu ForçaAEREA) um dia destes aparece ali uns armazéns de tremoços como fizeram aos terrenos ali para os lados de Azambuja a troco de uns empregos que ainda não se viram, mas não espanta nada já neste Portugal , estamos á venda, palavras para quê temos o que sempre desejamos, uma tremenda imcompetencia na nossa politica.touaqui

totoia disse...

Tens razão, apesar de ser em Sintra,acho que se devia descentralizar, até porque Sintra tem muita coisa para ver e não sabe tirar proveito disso.

Exemplo:
Palácio da Pena - 7 Euros a entrada, sem qq tipo de desconto, visitas guiadas, não há, folheto explicativo, tb não.

Feira do livro/artesanato -

Monte de barracas espalhadas num recinto da feira sem qq organização. Divulgação, pouca ou nenhuma.

Podia continuar, mas este assunto deixa-me mesmo MUITO mal disposta.

Carlos Afonso disse...

Ora no meio de tanta cretinice ke se vai fazendo, uma Boa notícia, Amigo Barão!! Excelente iniciativa essa em Mora, já passei por lá algumas vezes e gostei de saber dessa!! Abraço...Carlos.

Marlene Maravilha disse...

Conheço quase todos os lugares que falas. É tudo tão lindo que me deu saudades de Portugal. Aliás, bons momentos nos dão sempre desejo de retornarmos. Sesimbra, Sintra, Porto, Lisboa, Mora? Aonde voltar será maravilhoso, porque eu amo Portugal!
bjos do Brasil

Cherry Blossom Girl disse...

Obrigada pelas palavras de carinho.
Voltei a sorrir:)
Um beijinho enorme
***

IsaMar disse...

pois qdo pegares fogo à capital, avisa tá, que eu estou por cá.(LOL)
De facto Portugal é Lisboa e Porto e infelizmente o resto parece ser miragem. Restam-nos estas iniciativas, a de Mora para acreditarmos que ainda pode hver alguma esperança neste país.

¦☆¦Jøhη¦☆¦ disse...

Realmente existe muita cretinice espalhada por aí (e bem à vista de todos...). Não sei como vai ser, qualquer dia está tudo em Lisboa, e o resto do país que se lixe. Nem sei como se consegue viver assim! Duas ou três horas de trânsito (nos dias bons) para chegar ao emprego! Caramba, podemos ter muitas faltas aqui em Evora, mas pelo menos em menos de 10 minutos chegamos a todo o lado... para não falar dos problemas do juntar muita gente em pouco espaço... a exclusão e a proliferação de "guetos" é inevitável, assim como a falta de condições humanas... enfim...

Pelo menos a boa noticia :) sim, vale mesmo a pena passar por Mora, e é bom que vão surgindo coisas assim sem ser "nos locais do costume"

Um abraço, João

xicoxperto disse...

Se para um "forasteiro" é esta a ideia que fica de Lisboa, imaginem para quem tem de cá viver. Fruto do desenvolvimento criado pelos sucessivos governos que, a começar pelas vias de comunicação, sempre privilegiaram os "amontoados" de gente que se atropela e desunha para ganhar um lugar no estacionamento ou entalado no Metro.
Dantes para se ir de Lisboa a qualquer capital de província demorava-se uma eternidade. Actualmente chegamos depressa a qualquer uma mas deixamos o coiro e o cabelo nos cofres da BRISA. Quem é que é suficiente maluco para montar uma empresa e criar postos de trabalho que fixem a população no interior e depois deixar metade dos lucros nas portagens?
Na vizinha Espanha também há auto-estradas a "pagantes" mas são muitos os milhares de quilómetros que podemos percorrer sem pagar um "tusto" e com pisos bem superiores aos nossos. Depois há quem se admire com o desenvolvimento da Espanha porque nem lhes passa pela cabeça que qualquer cidade de província tem trezentos mil habitantes e um parque industrial de fazer inveja às barracadas onde funcionam "fabriquetas" que, misturadas com as zonas residenciais, cercam Lisboa. Tenham inveja de Lisboa porque aqui vive-se bem.
Quanto ao museu da Força Aérea ir para Sintra acho que vai ficar muito mais acessível, com o IC19 sempre "atulhado" de carros. Mas como quem manda pode, mesmo que seja um camelo, lá vai mais uma tabuazinha para o caixão da descentralização.
Abraço.

SA disse...

Gostei do teu post e do tom de inconformismo. Mora está de parabéns

sem-comentarios disse...

Tens razão...acho, que qualquer dia levam a estátua do Vasco da Gama ( que está aqui em Sines, pq foi onde ele nasceu ), para Sintra...ehehe.

bjs*

Professorinha disse...

Realmente, com a quantidade de dinheiro que se 'investe' em lisboa, parece que o resto do país não existe. Parece que para os governantes não há necessidade de desenvolver o resto do país, lisboa é o que interessa... Isso não passa de um pensamento terceiro-mundista que nos tem levado ao poço de lama onde estamos enterrados hoje...

Professorinha disse...

Já agora, gostava muito de sabr quantas escolas vão fechar em Lisboa, Porto e outras das capitais que valem a pena para os governantes (sejam eles quais forem, claro). Em nome de algo estamos a forçar o êxodo do interior, forçamos as crianças a sairem de onde vivem para ir para a 'grande' cidade de modo a terem melhores condições de vida. Para quê ter interior. Vendma o interior aos Espanhóis e ficamos só com os nossos 400km de costa... a ver se com esse 400 km fazemos um melhor trabalho do que estamos a fazer com tanto país (ironia) que temos agora...

Nunovsky disse...

Simplesmente :|

abraço

Mac Adriano disse...

Discriminação. Nada de novo, portanto. Portugal é Lisboa e Porto. É a isto que chamam descentralização, pois dantes era só Lisboa. Sim senhor, vamos no bom caminho. Mas que mais seria de esperar? A discriminação não é, sequer, exclusivamente geográfica. Veja-se outros exemplos: o Diário da República deixou de ter edição em papel. Agora, só na Internet. Tal como o selo do carro, a partir do ano que vem. Se dois terços dos portugueses não têm Internet, ninguém pode alegar que a medida é boa para os portugueses. Nisto da geografia é a mesma coisa: quem não vive em Lisboa, Porto ou arredores que se lixe. Com o imbecil do Sócrates, ainda temos um país mais a duas velocidades. Mas, como se pode constatar quando há eleições, é disto que o povo gosta.

P.S.: Agora percebo porque é que ouvi hoje tanto avião a pousar na base de Sintra: já devem andar a trazer as coisas.

Savonarola disse...

Realmente, é pena, essa de Sintra. Mas... Qual descentralizar?! Para começar, isso implicava muito gastar de verbas e o Orçamento, mais o défice, não o permitem... Parabéns a Mora! Um abraço