segunda-feira, julho 03, 2006

O Ensino. (Humildes subsídios para a compreensão da estupidez endémica da Lusa gente. Parte 5ª de várias)

Os Ministérios da Educação e as suas políticas, são mais uma parcela desta equação. Uma parcela importante, já que representam a fatia mais grossa do laxismo, incompetência, desleixo, desmando, cretinice e estupidez que vem passando pela Educação Lusa.
Nos dias a seguir ao 25 de Abril, quando éramos todos comunistas, o afã da sociedade igualitária nivelada pela rama depressa exterminou o ensino das escolas comerciais e industriais, erro crasso, mal ou bem essas escolas absorviam a sua quota parte da formação de quadros médios especialistas, em que hoje somos tão carenciados.
Passado o período pseudo revolucionário, desaparecidos os últimos ecos da contestação revolucionária, os anos 80 vêem surgir os novos Ministérios da Educação, impantes de novidades, reformas e PGA’s, escusado será dizer, a quem viveu aquele período a asneirada colossal que foi aquilo tudo. Os anos 90, foram a consagração da asneirada, incapazes de se adaptar aos novos tempos os Ministérios, inventaram, copiaram políticas e estratégias estafadas de outros países, que pecam sempre pelo mesmo motivo, são boas lá de onde vem, aqui com a maltinha que cá vegeta, soçobram.
Veio a “Paixão” o “Choque Tecnológico” “ o Modelo Finlandês”, enfim vieram toda espécie das mais rematadas idiotices, de estudos mirabolantes de pedagogias líricas e demais trapalhadas, resultados práticos, nada, zero, népias!
Catadupas de senhores doutores inteligentes e sapientes, resmas de engenheiros preclaros e iluminados, no fim no fim nada. A tristeza que temos, de Cavaco a Sócrates, uma infindável procissão de incapazes, cada um pior que o outro, cada Ministério da Educação mais alucinado que o próximo, cada política de educação mais estapafúrdia que a próxima. A grande maioria de indigentes mentais que passou por estes Ministérios, isto a julgar pelo que fez, não tem a mínima noção do que é educar, do que é o ensino e daquilo que é necessário para o fazer.
É triste estarmos constantemente a bater nos Governos e nos governantes, mas com exemplos como nos tem dado e difícil não o fazer, então não existirá nada que tenham feito bem? Talvez, mas as abstrusidades que fizeram suplantaram largamente o pouco bem que possa ter sido feito. Na Educação, andamos aos solavancos, qual carro avariado, connosco lá dentro a rezar para que não pare de vez. O nosso Ensino está podre, moribundo, em farrapos, fruto de Ministérios e Ministros, com uma clara incapacidade para a função, a política dos manuais escolares é disso exemplo, uma grande e absurda cretinice, os programas de ensino outro desvario idiota, os meninos fazem de tudo na escola excepto aprender, perpetuamos através do nosso sistema de ensino as nossas melhores qualidades, o laxismo, o facilitismo a incompetência, a incivilidade e a falta de cultura, o desrespeito pelo próximo e a fuga aos deveres de cidadania.
É paradoxal que num Ministério que se chama da Educação, exista tanta falta da mesma, tanta falta de bom senso e tanta falta de responsabilidade. Uns destes dias talvez vejamos um verdadeiro milagre, o milagre da Educação, do Civismo e da Cultura.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

14 comentários:

Bel disse...

Sim eu sou professora por isso acredita que entendo bem as tuas palavras.
ah mas não colocada porque é preferivel ter engenheiros já com idade mais que superior mas falta a formação superior na àrea. No meu caso a matemática.

boa semana

js disse...

...educar, para quê?... gente educada é gente exigente ...e os politicos não conseguem convive com uma sociedade capaz de exigir...com capacidede para pensar...
(a actual classe politica só sobrevive graças a uma população viciada em (ver)futebol e telenovelas...
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt

Elise disse...

o ensino público precisa de outra revolução. abraço!

Carlos Medeiros disse...

Como brasileiro estou a visitar os blogs portugueses para desejar-lhes boa sorte, e parabenizá-los pela boa campanha na copa 2006.

Carlos Carreira Afonso disse...

Teste!

Carlos Carreira Afonso disse...

Caro Barão, agradecido pela visita ao meu espaço!! Falar de Educação em Portugal é estar a "Bater no Ceguinho"!! Foram tantas as "reformas" (desde há uns anitos) para acesso ao Ensino Superior ke até dá dó!! Depois na Universidade, temos grande problemática com os já "muy" famosos Turbo-Professores, ke deixam os seus nomes nas Universidades e vão dando uma aula uma vez por festa, enkuanto os Profs. Assistentes vão fazendo o trabalho de sapa!! Os míudos esfalfam-se a estudar para conseguir vaga em boas Faculdades, depois deparam-se com um ensino mediocre (salvo raros casos)!! Já fui prof. assistente numa Universidade particular e sei um pouko do ke falo!! Mas o grande problema está também no ensino de Base, pois a título de exemplo, há professores a dar aulas em localidades ke têm 2 ou 3 alunos, ke por sua vez estão um bocado eskecidas e "fora-de-mão"!! Causa Desmotivação por parte dos docentes, além de ke o pouco entrosamento dos alunos a nível social, também não os ajuda muito no seu Futuro Académico!! Enfim, havia tanta coisa a dizer...Mas Deixo aki os Parabéns pelo Post e pelo Blog!! Abraço...Carlos.

Teresa Durães disse...

As escolas públicas mesmo assim são as que funcionam melhor nas piores condições.

Onde critico mais, se quer saber, não é a malta nova. è a malta do 25 de Abril, os novos ricos (aos quais lhes chamo delicadamente os emergentes) que são os que têm as rédeas deste país na mão. Sem cultura ou de cultura apressada.

Quer queira quer não, tem de dar tempo ao país. Não se atravessa 40 anos de repressão de qualquer modo.

Assim o diz a história.

A Sonhadora disse...

Olá Francisco, boa noite..venho só deixar-te um abraço e desejar uma boa semana....
beijinhos da sonhadora

Daniela Mann disse...

Quando oiço falar em Ministério da Educação, dá-me logo vontade de vomitar!
Beijocas Francisco

polittikus disse...

Concordo contigo. Só mesmo por milagre. Creio que este plano educacional deste governo é um buraco sem fundo. Uma tentativa de tratado de Bolonha em ponto pequeno, mas grande nas asneiras...

alfazema disse...

Gostei do teu post e não lhe retiro uma única linha. No entanto ,e apesar de tantas vozes se erguerem contra esta política do facilitismo que tem imperado ao longo de todos estes anos de santa democracia, ainda não chegou aos nossos governantes esta e outras mensagens quetenho lido dentro do mesmo teor. A culpa é toda dos professores?Desta vez não morre solteira. casada e bem casada.
Um beijo

** sean paul** disse...

Concoro plenamente que o Ricado tenha alma de ágia, mas só o demostra na selexão.... Lol
Obrigado pelo comentário, volte smp.
Bjs

Rosmaninho disse...

Paixão, Choque Tecnológico, Modelo Finlandês...:):):)
Milagres?!
Já não acredito... nem daqui a outros 30 anos.

Sou mãe e lecciono há quase três décadas, tenho pleno conhecimento do que estou dizendo.
O problema do Ensino começa na Escola dos Pais.

Boa Semana!

Eric Blair disse...

Na qualidade de interveniente no processo ensino-aprendizagem, na qualidade de agente facilitador (ai essa ciência oculta do pedagogismo), continuo com agrado a ler esta saga.