segunda-feira, junho 08, 2009

Pirro Dixit

Foi uma vitória pegada! Estas eleições Europeias foram um fartote de vitórias, pelo menos a julgar pelos discursos dos vários partidos, por junto com as televisões e jornais, numa busca desesperada de perdedores e ganhadores, numa busca desesperada de arranjar tema onde não existe assunto nenhum, de extrapolar conclusões onde não existe nada a concluir excepto o óbvio.
Modesta opinião deste pobre escriba, neste acto eleitoral, ninguém ganhou, bem talvez com excepção do BE. O PSD clama por uma derrota clamorosa, uma revolução da laranjada, clama por falta de legitimidade, cuidado porque essa lebre poderá mais tarde levantar-se, o actual governo, concorde-se ou não questione-se ou não os seus modelos, tem legitimidade para tudo, porque foi sufragado e é o legitimo governo de Portugal.
Ferreira Leite foi do ponto de vista pessoal uma ganhadora, clara! Sem esta patética subida ficaria em maus lençóis, não esquecer que os lobos estão de atalaia e à mínima escorregadela, saltam-lhe em cima, por ora e se tudo correr bem livrou-se de um que já começava a por as garras de fora, vai para a Europa e bons ventos o levem. Para Ferreira Leite este foi mais um balão de ar, que a permitirá ficar à tona por mais algum tempo, se repararem nem Rio nem Menezes, lhe fizeram a vénia e Santana o navalhista mor, só lá foi no fim, não fosse o Diabo tece-las.
O PCP, pois esses, é o costume, estão a crescer, foi mais uma vitória etc e tal, a cassete do costume, não se pode esperar muito de uma coisa anacrónica e esclerótica como o actual PCP. Com tanta vitória eleitoral arriscamo-nos a ver o PCP, desaparecer, o que para muitos seria, isso sim um alívio.
O PP, lá se manteve à tona, Portas à cautela, vê-se livre de dois incómodos e manda os putos para a Europa, sempre se distraem e vão ver o mundo, viram no entanto subir a percentagem de votantes, em sintonia com o resto da Europa, que optou pelas extremas-direitas para clamar contra as esquerdas, neo-liberais disfarçadas de socialistas.
O PS, levou um trepa, os seus eleitores não foram votar, outros bandearam-se para o BE e outros ainda foram passear, apesar do chefe ter ido pessoalmente ao campo de batalha, já não interveio a tempo de corrigir as manobras, para as legislativas tem de ter cuidado, mas este acto eleitoral, não significa nada, como ontem pretendiam fazer crer uns míseros jornaleiros de pé de chinelo, ao tentarem fazer extrapolações canhestras, curiosamente, ontem só ouvi duas vozes de bom senso, por incrível que pareça Pacheco Pereira, ínclito amigo da bojarda, personagem que abomino, mas elogio a competência intelectual e vastos recursos culturais e António Barreto, probo de intelecto e sensatez.
Os trauliteiros do BE, levaram a palma porque conseguiram efectivamente ganhar esta treta, conseguindo eleger mais dois deputados.
Na realidade, perdemos todos! A abstenção foi uma, essa sim, vitória do asco e do nojo que os políticos e a política actual provocam nas pessoas, em Portugal a Abstenção, que vence na realidade todos os actos eleitorais dos últimos 20 anos, provou mais uma vez que é a grande força motivadora do eleitorado, estes resultados deveriam fazer pensar os politiqueiros, infelizmente pensar é um acto que a maioria pouco exerce.
Lá para Setembro ou Outubro lá iremos de novo, fazer de conta que mandamos alguma coisa e voltaremos a votar em alguém, em alguma coisa ou em nada.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

4 comentários:

jardinsdeLaura disse...

...ou seja, tudo como dantes em Abrantes!!

O Micróbio II disse...

Esqueceste-te de mencionar o descalabro das sondagens... os partidos são avaliados pelo povo e as empresas de sondagens não são avaliadas por ninguém e ainda recebem pela prestação de serviço mal executada. Será que não têm "livro de reclamações"?

entremares disse...

Enquanto não for obrigatório votar, estamos à espera de quê ?

Milagres ?

Que seja obrigatório votar.
Todos somos responsáveis. E para isso é que servem os votos brancos e nulos.

commonsense disse...

Não estou de acordo, mas compreende esta análise. Peca uma bocadinho por pirronismo. Mas é lúcida.
Commonsense gostou de algumas coisas: da trepa que levou o PS - acabou-se aquela inevitabilidade; o descrédito das sondagens encomendadas - até que enfim; e outra coisas que disse ali.
Mas atenção, a abstenção não é só de asco, também é de preguiça e de egoismo.
Bons feriados