segunda-feira, janeiro 25, 2010

Por Cá

Por cá continuamos iguais a ontem, parecidos com há cem anos o mesmo que há duzentos, entregues a um bando de ineptos. Instalou-se na nossa sociedade uma “medíocreocracia”, onde os mangas-de-alpaca vegetam emperrando o sistema com as suas minudências imbecis sem jamais solucionarem os reais problemas de que soçobra entalado até ao tutano entre a podridão das elites e a porcaria do rebotalho do bairro social.
Por cá, continuamos, entregues a nós mesmos, numa espécie de paraíso da auto-gestão, onde o Estado falha, mas falha sempre para os mesmos, curiosamente para os que alimentam esta cloaca imunda de analfabetismo boçal. Vivendo no regabofe do faz de conta diário, corremos a ajudar o Haiti, como se não fossemos nós um Haiti europeu, alias a tragédia do Haiti é um bom espelho para o que mais tarde ou mais cedo irá suceder por cá. E para todos os que estão à espera que por cá a coisa corra melhor, espero enganar-me, mas duvido!
Por cá a imutabilidade de um sistema corporativista e semi-feudal, mantêm-se, a parafernália de irresponsáveis e irresponsabilidades torna redundante toda a tentativa de sarar a hemorragia de estupidez que correr nas veia do país, para onde quer que se olhe, é a alarve devassidão, podridão e laxismo, que despontam com ervas daninhas, a cultura da irresponsabilidade e do amiguismo clientelar, pontua sobre todo o mérito, de que vale ser profissional e diligente, de que vale ser cumpridor e activo, de nada vale, porque a torpe maralha do poder tudo corrompe com os seus exemplos bandalhos de gentinha mal formada e ignorante, velhacos cujo único poder advêm, do cargo que ocupam por mor das politiqueirices rafeiras, tiranetes impotentes e frustrados que descarregam todo seu fel e santíssima imbecilidade no pobre que ouse contestar as suas pindéricas alarvidades e sumptuosas acções de desvario intelectual, alias a fraqueza intelectual dos nossos maiores é confrangedora.
Por cá, é isto, o fado da tristeza singular que se mata com saudades de um tempo em que se podia orgulhar de viver, hoje quem se orgulhe disto é sandeu. Que orgulho verde rubro pode haver neste vale de lágrimas de estupidez em que se tornou esta terra, onde as instituições são tuteladas por títeres burrocratas, com a visa oespartilhada por óculos de cabedal, e a reata sempre puxada pelos senhores do dinheiro que untam as palmas aos seus validos, que em troca promovem as leis para cegar ainda mais uma Justiça merdosa. Por cá há dias que mais valia, não estar por cá.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia