segunda-feira, novembro 10, 2008

Manifestação, Avaliação, Confusão, Desilusão e outras coisas acabadas em ão!

Desta feita foram 120 mil professores na manifestação, mais 20 mil do que na anterior, não se falou de nad de novo, falou-se tão somente numa suposta avaliação que deveria avaliar, ao invés só serve para condicionar, condicionar as atitudes, a svontades e principalmente condicionar as carreiras e as esxpectativas profissionais de pessoas que desejam progredir nas carreiras, como alias é feito em qualquer lugar da tal Europa que nos é sempre impingida como exemplo, estando nós claro está muito mais próximo de África.
Desta feita foi maior a confusão, tu mentes eu minto, assim anda gente com cargos dirigentes e governativos, num joguinho de crianças birrentas e mimadas, claro estamos a falar de Educação, e pelos momentos, poucos, que vi da coisa, acredito piamente que o senhor Primeiro dos Ministros a sua fiel acólita da Educação e alguns dos líderes sindicais o que precisam é de ir à escola, mas se forem à escola que esles criaram, então estamos mal, vai concerteza revelar-se contraproducente, pois parece que não aprenderam nada e com a Escola actual jamais aprenderão.
Desta feita foi mais uma desilusão, gostaria de ver ao invés de 120 mil professores gostaria de ver 500 mil ou mesmo um milhão de professores de todos os graus de ensino, de auxiliares de acção educativa de pais de alunos, isso sim seria uma manifestação em prol da Educação. O número apesar de respeitável, não é pois revelador da união que o sector deveria viver, é pois uma desilusão, ver que mais uma vez a máxima do “dividir para reinar2 continua a impor-se.
A qualquer modelo avaliativo pede-se que avalie de forma isenta e justa, aquilo que propõe o governo, não é isento nem justo, não é isento porque à partida vem eivado de condicionantes que impoõe quotas, imaginem-se a dizer a um médico que não pode ir para uma determinada especialidade porque só pode passar um de cada vez, imaginem-se a dizer a um Juiz que não pode aceder ao patamar seguinte, muito menos ao supremo, porque isto é por nota e tem uma cota que só permite a subida a um ou dois, imaginem-se a dizer a um alferes saído de uma academia militar que ele nunca chegará a general. Pois é caia o Carmo, a Trindade, a Ajuda e talvez Belém!
Como de costume jamais saíremos da cepa torta com atitudes politiqueiras cheias de rafeirice e imbecilidade, precisamos desesperadamente de uma Educação que ensine valores de cidadania, de respeito pelo próximo para que as próximas gerações se consigam afirmar em valores de tolerância e civismo ao invés desta infecta corja de imbecilismo mlitante que por cá temos hoje. Sonha, que sonhar ainda não paga imposto.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

1 comentário:

Abril disse...

Amigo
Para mim EDUCAÇÃO é para ser dada em casa,mas ninguém pode dar o que não tem...nem que seja licenciado,"doutourado","mestrado"herdeiro de boas fortunas,etc,etc.
SABER é o que as escolas deveriam de dar, se a maioria dos professores,não estivesse com um olho no quadro e outro no espaço circundante á espera de levar com qualquer coisa na tola.
AVALIAÇÕES,fazem muita falta,mas com critérios de isenção.Sempre fui da opinião que não basta dizer:-Sou bom!!!!
Um abraço