segunda-feira, janeiro 08, 2007

Os Velhos Soldados!

Completam-se este mês 40 anos do regresso do meu pai a casa, em Janeiro de 1967 passava à disponibilidade depois de 27 meses 4 dias e 3 horas de Angola, sítio para onde foi atirado de junto com outros milhares, sem saber bem o que lá andava a fazer, mas é como ele diz, “…os homens mandavam e nós íamos…”.
Vem este comentário a propósito de se lembrarem, todos aqueles que deram a sua juventude, sangue e lágrimas em prol da Pátria, os antigos combatentes, os veteranos, os velhos lobos das guerras, de todas as nossas guerras, a quem devemos respeito e carinho, mas que como sociedade nunca soubemos apoiar.
Noutras paragens, os veteranos, são acarinhados louvados e apoiados, por cá como de costume, nada, uma fria sensação de esquecimento, uma vergonha não sei de quê, como sociedade rejeitamos durante muito tempo os combatentes, os seus estropiados e mortos, colocados numa prateleira fechada e remetidos para o passado, o seu passado, cheio de fantasmas, de noites sem dormir de mil lágrimas e imagens de terror.
Neste país de trampa, anda tudo ao contrário, os heróis são esquecidos e vilipendiados, as ratazanas, chupistas condecoradas e engordadas. Pouco ou nada se tem feito para apoiar estes homens, o stress de guerra, as feridas que não saram, as maleitas físicas, quase tudo fica por apoiar, ainda que num arroubo de demagogia barata um pedante Ministreco da Defesa tenha enchido a boca dos jornais e televisões com uma mirabolante compensação da reforma, para os antigos combatentes, uma falácia como muito bem sabem os homens que deixaram a sua juventude, nas bolanhas, chanas e picadas da terra vermelha de África.
Noutras terras até existem vejam lá o disparate, casas de acolhimento específicas para velhos combatentes, onde são tratados com todo o carinho e atenção, existem departamentos de ministérios, próprios para solucionar os problemas de quem lutou em nome do país, por cá é o absurdo do esquecimento, a tristeza do abandono, a vergonha de assumir a responsabilidade.
Vão calando as vozes porque essa geração está a desaparecer, como aconteceu aos veteranos da Primeira Grande Guerra, é cada um por si, nem mesmos as associações como a Liga dos Combatentes ou a Associação dos Deficientes das Forças Armadas, parece conseguir que os governos acertem agulhas e de uma vez por todas rectifiquem a sua conduta e façam justiça a estes homens.
Na cabeça de muita gente ainda andam muitos macaquinhos, pede-se tudo para toda a gente, todo o gato sapato traposo que aqui cai vindo de qualquer pardieiro, vem logo reclamar, casa, escola, subsídio e demais mordomias sem nada dar em troca, ao invés a estes homens que deram o melhor do que tinham, nada lhes é dado a não ser desprezo, mentiras e promessas vãs.
Deixo aqui a homenagem sentida a estes homens que deram muito e receberam quase nada, homenageio os homens, não as politicas e as guerras ou as doutrinas, nada disso me interessa, é aos homens que devemos respeito e dedicação, pela entrega e pelo sacrifício, porque lutaram em nome de uma Pátria que lhe virou as costas, é para todos esses soldados anónimos que vai o meu obrigado.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

26 comentários:

Isabel-F. disse...

"Neste país de trampa, anda tudo ao contrário, os heróis são esquecidos e vilipendiados, as ratazanas, chupistas condecoradas e engordadas...."

Junto-me à tua homenagem ... eu acompanhei alguns casos bem de perto ... fui madrinha de guerra de alguns ...

boa semana
Bjs

Andreia do Flautim disse...

Faço também a minha homenagem.

Blossom disse...

Votos de uma excelente semana de trabalho :)

A Sonhadora disse...

É assim, amigo barão:
as pessoas sonham com a pacificidade, mas criam as guerras...
Foi e continuará sempre a ser assim, enquanto o ser humano existir neste planeta...e as sequelas ficam para sempre.
Um beijão, obrigada pela visitinha e um ano 2007 fabuloso, pelo menos que tudo o que tens em mente concretizar,se vá desenrolando da melhor maneira.
a sonhadora

Suso Lista disse...

En spaña, pasa o mesmo cos que defenderon a República, que era o legalmente establecido, hasta que o Fascista, Franco, dou o traste cas ilusions e esperanzas de todo o país, agas dos fascistas. Pro os que loitaron nos dous bandos eran simples personas que non lles quedaba outra que obedecer, se non querian ser fusilados. Irmans contra irmans, pero a dia de hoxe, uns seguen a ser esquezidos, e os seus corpos, continuan tirados en calquera foxa das estradas que percorren este pais de tolos. Boa semana

Anónimo disse...

Quem por lá passou sabe-lo bem que não foi pera doce.
Compensações é que se esqueceram.
Só os oportunistas tiveram sorte na vida .
Compreendo bem a situação que discriminas pois eu fui um dos que em 64 embarquei.
Mas um dia os VETERANOS darão a resposta a quem hoje se julga superior.
A não ser como dizes a fase dos VETERANOS está aos poucos desaparecendo e seremos esquecidos .touaqui42

chuvamiuda disse...

.................

toca a malhar!!!

uns preocupados com o relógio de ponto, que pena que eu tenho desses

outros sem lhes darem o devido ponto de honra, assim é amigo

................

Abraço

_estrelinha_ disse...

ola, amiguinho...
pois é as vezes nem nos damos conta de certas coisas ou nem keremos mas é verdade muita gente em outros tempos eram obrigados a fazer coisas k nao keriam e agora com mais experiencia de vida sofrem as consequencias do passado. um bem aja a esses soldados eles merecem.
beijinhos

commonsense disse...

A nomenclatura que nos desgoverna só respeita quem tiver dinheiro, muito dinheiro. Com o que deram ao berardo, podiam bem tratar so Combatentes de África com a dignidade que merecem. Mas não. Pobre País que não respeita os seu combatentes.

Tens razão e agradeço-te por o lembrares. Continua.

Um abraço

Andesman disse...

Quando lá estavam a dar o corpo, e muitos a vida, ao manifesto eram esquecidos e despresados nas cidades por aqueles a quem guardavam as costas. Quando da Descolonização onde estive; e sou testemunha de muitas injustiças e ingratidão, por parte daqueles a quem assegurávamos a sua segurança na medida do possível, com muito sacrifício e risco. Hoje é o Estado que bota ao ostracismo aqueles que quando em nome da Pátria os chamou,não fugiram, disseram presente. Um abraço Barão

Casemiro dos Plásticos disse...

gande barrao smp em forma.
boa semana
abraço

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Barão:

Sem cair em exageros, estamos num país em que toda a gente reclama mais direitos sem pensar nas obrigações nem nas limitações económica do país, penso que os militares que combateram em África e que de algum modo ficaram afectados, após a respectiva triagem, devem ser merecedores duma expecial atenção pelas entidades competentes.

Penso que isso é concensual.


Um abraço,

js disse...

Uma observação ...ou é 40 anos ou o teu pai regressou em 1966... quanto ao resto devo lembra que os que fizeram o 25 de Abril foram os militares ...mas quem tomou de assalto o poder foram os politicos que tinham fugido da patria ...como poderão eles e os outros que só ouviram falar da guerra nos filmes, entender as dificuldades que tiveram ou têm os seus compatriotas que pegaram em armas nas ex-colonias...
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt

eu mesma! disse...

completamente de acordo!

em vez de darem reformas chorudas a politicos, deviam dá-las a quem por qualquer infelicidade pagou com o corpo, uma guerra para a qual nem sequer foi ouvido nem achado

Anónimo disse...

JS ,a vaidade dos politicos actuais desonra quem defendeu a Pátria no antigamente.
Eu regressei em JULHO de 1966 e levei um pontapé nos entrefolhos na chamáda de anos para a reforma que me obrigaram a pagar anos de tropa ao preço actual .
Por cada 50 centavos paguei 12577 escudos mensais , estás a compreender a questão não estás??.
Costumo dizer que favores fez a minha avó que já está no Paraiso á 52 anos.

collybry disse...

Tambem deixo minha homenagem a todos que por isso passaram,e meu rasto___________Cõllybry

http://olharindiscreto.blogs.sapo.pt/

sem-comentarios disse...

É uma pena o governo esquecer por completo os homens que um dia lutaram pela sua pátria.

:)**

isabel victor disse...

Prazer em conhecer !

Vou passando ...

A propósito, o Museu do Trabalho Michel Giacometti está sediado em Setúbal, numa antiga fábrica de coservas de peixe.Completa este ano 20 anos. Aos Sábados (no ùltimo de cada mês ), realiza " Tardes Interculturais" temáticas. Dia 24 de Fevereiro -Timor (poesia,conversas,pintura,gastronomia, música, etc.)

Tertúlias abertas à livre participação ...

Professorinha disse...

Bem, tenho uma opinião um pouco polémica sobre essa época... e é polémica porque as pessoas ainda não sabem como foi feita a descolonização. A informação que não era dada na altura não foi dada depois e as pessoas permanecem ignorantes e dão opiniões ignorantes.

De qualquer forma, os soldados que defenderam o que era nosso (porque era nosso!) merecem homenagem sempre!

Fica bem :)

Professorinha disse...

P.S. Quando me refiro a opiniões ignorantes não me estou a referir a ti, claro.

Chanesco disse...

Caro Barão

Como de costume, um texto cheio de realismo sobre um tema que mexeu com toda uma geração.
Uns comeram a carne e para outros ficaram os ossos.

Um abraço e votos de um bom 2007

belzebu disse...

A minha postura na blogosfera é normalmente irónica. Tento brincar com a realidade e abordar as questões de uma forma caustica e ao mesmo tempo interventiva!

Este teu post é talvez o primeiro que me faz comentar de uma forma mais séria. Eu sou ex-militar, sei do que falas e apesar de não me vitimar, considero, tal como tu , que há uma enorme falta de respeito por quem tudo deu sem nada ter pedido.

Sauadções infernais!

missixty2000 disse...

Ainda ontem revi o filme "A vingança do herói",vem de encontro ás tuas palavras neste post. Pelos vistos nem só em Portugal, os heróis são esquecidos e vilipendiados!Eles pagam é a factura dos erros dos outros que os mandaram.
beijinhos a ti e ao teu pai

paraquedista disse...

Tudo isso não seria assim se vivessemos num país de politicos sérios. Não preciso dizer mais nada. Tudo bom.

tron disse...

Caro amigo o teu pai tal como muitos foram dar a vida por um páis que não passa duam ingrata província de Espanha

Manel do Montado disse...

Meu caro Barão,

“Se serviste a pátria e ela te foi ingrata, tu fizeste o que devias, ela o que costuma.”
Padre António Vieira

Os verdadeiros heróis foram os que fizeram o derradeiro sacrifício e não voltaram. Outro tipo de heróis voltou estropiado no corpo, na alma e no espírito. Depois, depois há os “heróis” de Argel, Paris, Londres e outros santuários da cobardia e ainda queres que esses “castanhos” reconheçam os veteranos?
Quando há hoje chefes militares que tinham medo, enquanto aspirantes tirocinantes, de agarrar numa granada de morteiro 81mm e mete-la pelo tubo abaixo e hoje são chefes…
A grande maioria assemelha-se ao whiskey Passport…sabes? Verde, cheio de medalhas mas é uma grande merda!
Um abraço