terça-feira, outubro 03, 2006

Estou convosco!

Aos Militares do destacamento da GNR de Matosinhos, quero dizer que estou convosco, que concordo com a vossa actuação, que finalmente aparece gente com eles no sítio, e que faz frente à escumalha que coloca a vida dos outros em perigo.
Gostava que as televisões fossem tão céleres a esmiuçar, a morte dos agentes da PSP os Militares da GNR, quanto são céleres e expeditas a coscuvilhar a morte de um qualquer inútil. Militares da GNR, estou solidário convosco, assim é que se faz.
Pena tenho, que só tenham acertado num ao invés de terem enviado os quatro energúmenos para o inferno. Eu, cidadão honesto e cumpridor estou farto de ser esburgado por essa tropa fandanga, por essa escumalha nojenta, que não só vive do meu suor como ainda me rouba e assassina e intoxica os meus filhos.
Militares da GNR, eu, estou convosco num grito de desespero, que tenta alertar a escumalha que manda, para o rumo que este país tomou, a esses que nada fazem, a esses rafeiros de corredor, a esses que também vivem do espólio que amealham com o meu sangue.
Militares da GNR, ainda que seja só eu a gritar convosco, hei-de gritar bem alto, contra a merda da correcção politica e dos capados sociais e demais benfazejos da treta, alarves que enchem os bolsos com a miséria dos outros.
Militares da GNR do destacamento de Matosinhos, parabéns pelo dever cumprido.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

26 comentários:

tron disse...

Ninguem manda abaixo os inúteis e assassinos da tepública que até nos querem incenerar e estou também com os GNR de Matosinhos contra a para-ditadura socialista todos unidos lutando contra os fascistas do Largo do Rato

Å®t_Øf_£övë disse...

Barão,
Eu também estou contigo, e com os Militares da GNR, no grito de desespero.
Abraço.

nene disse...

É assim mesmo,sem medos!
um beijinho:)

agua_quente disse...

Eu entendo a dificuldade das forças policiais em lidar com certo tipo de criminalidade mas garanto-te que não é com discursos inflamados do género do teu que resolvemos seja o que for. E tudo tem regras. Se há motivos para inquérito, que se faça o inquérito porque se tudo se passou dentro dos procedimentos normais, nada há a temer. Ou não será assim?
Beijos

commoncore disse...

Esta mania de trocar os agressores com as vítimas já enjoa. Primeiro foi na Casa Pia, em que até parece que foram as crianças que violaram aueles senhores; agora é a GNR que fica a fazer o papel de vilão. Coitadinhos dos bandidos...

Daniela Mann disse...

Isto é que é um autêntico grito de guerra! Tenho a certeza que os GNR do destacamento de Matosinhos agradecem!
Beijinhos
(`“•.¸(`“•.¸ ¸.•“´) ¸.•“´)
«`“•.¸.♥ Daniela ♥ ¸.•“´»
(¸.•“´(¸.•“´ `“•.¸)`“ •.¸)

Ari disse...

Tb eu estou solidária com a GNR de Matosinhos.

Deixo-te um beijinho

Andreia do Flautim disse...

Assim vale a pena. O meu mano bem que me diz que na GNR o pessoal é fixe!;)

A Sonhadora disse...

Assino por baixo!!!Tinha que ser em...Matosinhos....kkkkk
Abraço da sonhadora

pechanense disse...

Amigo Barão.

Em primeiro lugar agradeço as visitas ao pechanense.

Em relação ao teu posta, embora não seja apologista de que se ande para aí aos tiros, eu não questiono a actuação da GNR de Matosinhos e também sou solidário com eles.

De facto parece que a comunicação social vem mais depressa condenar a actuação das polícias do que daqueles que são o verdadeiro perigo para a socidade.

Um abraço

125_azul disse...

E já são dois abraços.

vinte e dois disse...

Já comentei esta notícia num outro blog e volto a dizer que a prisão do GNR é uma anedota pura e simplesmente! Ele cumpriu o seu dever e vai preso ( e talvez venha a cumprir pena), se ele tivesse sido morto, o outro estaria na rua amanhã pq o coitadinho teria a seu favor uma infância difícil!!

tron disse...

Amanhã é o dia de luto nacional e o soldado da GNR é preso pouca vergonha basta pum basta MORTE A REPÚBLICA

Mixikó disse...

Eu assino por baixo...

realmente, a comunicação social devia de seguir em busca da verdade, e não com as tretas sensacionalistas...como as mortes de não sei quem, que certamente terão algum valor para alguém, mas que a maioria não conhce de lado nenhum e que nem sequer estão/estiveram ao serviço ds Pátria.Tenho dito.

beijos

Mixikó disse...

Eu assino por baixo...

realmente, a comunicação social devia de seguir em busca da verdade, e não com as tretas sensacionalistas...como as mortes de não sei quem, que certamente terão algum valor para alguém, mas que a maioria não conhce de lado nenhum e que nem sequer estão/estiveram ao serviço ds Pátria.Tenho dito.

beijos

Orlando Castro disse...

Com este quadro, aconselho os militares ou polícias que zelam pela minha segurança a, das duas uma: levarem primeiro um tiro (ou, de preferência, dois ou três) e só depois dispararem ou abandonarem a profissão.

É que, se não for assim, acabam presos e acusados de homicídio. É caso para dizer: morram primeiro e disparem depois.

eu mesma! disse...

Concordo em absoluto! A polícia devia agir também deste modo, uns tiros e talvez diminuam os assaltos...os gajos não tem medo de nada porque nem sequer são presos, assim são capazes de pensarem 2 vezes.
Muito bem GNR de Matosinhos! assim é que é!

francis disse...

szqÉ uma opinião bem vincada. Por norma, em Portugal, tem-se pena da vitíma mortal que ganha o epíteto de "coitadinha". As televisões fazem um esforço desiquilibrado por mostrar a tragédia que se abate sobre a família da mesma vitíma colocando de imediato em causa a actuação da Policia.
Esquecemo-nos constantemente que, como cidadões, além dos Direitos também temos Deveres.
Por norma, acredito sempre nas Forças de Autoridade. Acho que o caso deve ser investigado e a verdade apurada. Contudo, não contem comigo para a choradeira habitual.
Um abraço e bom feriado!

Anónimo disse...

Coitádos dos rapazes , andavam a gasyar a massa do subsidio de desemprego e para mais com uma viatura que por sinal nem seguro tinha, coitádos iam na vida deles e olha só, viram um poste GNR e quizeram deitar o poste GNR e o resultádo foi o que se viu , no final da história o GNR é que se lixou não tinha nada que ir atrás de quem o queria atropelar.
Eu queria ver esses garotos a chocar com alguém que eu queria ver como seria a justiça deste país, pistola deitáda fora segundo dizem , pois coitádos a pistola começou a queimar algo que estavam a ver que ia dar furo na vida nocturna dos mesmos, vamos ver o final da história, os cidadãos portugueses querem sentir segurança e bem haja a GNR .touaqui

an ordinary girl disse...

Todos cometemos erros, é o que eu sei. Alguns pagam por esses erros. Outros não. E outros pagam por erros que nao cometeram.
Não sei o que se passou, mas o que eu tenho visto com muita muita muita mais frequencia é bandidos de m...., cometerem erros, atrocidades, crimes, etc, sem pagarem por eles.
Não sei o que se passou com esse soldado mas mesmo que tenha cometido um erro, nao foi de certeza por maldade, ruindade, preguiça, estupidez e etc, como esses outros bandidos de que eu falava....

Bom fds!
Vou ver se posso ir a esse jantar.
Um beijo.

fatima

de Matos disse...

É assim, concordo contigo, porque se ele errou o alvo é porque o nosso governo insiste em nao os preparar como deve ser, como querem que eles façam o seu dever quando sao eles que governam as esquadras onde estao?? isto tem que mudar, e urgentemente...

abraço, e ja agora, tas linkado, espero que nao te importes...

Jade disse...

Olá Barão! Não é caso único em Portugal. Já não é a primeira vez que o trabalho da polícia é questionado. Apesar de muitas pessoas considerarem os nossos polícias uns mentecaptos, acho que não iriam, sem ser em legítima defesa, ripostar. Ouvi o Miguel Sousa Tavares a comentar o caso e a fazer a defesa dos indivíduos. O que eu acho é que se critica a polícia por não fazer nada e quando o fazem caem em cima deles. Nós não estamos na posse de todas as informações, no entanto, o facto é que o polícia que atirou ficou preso a aguardar para ir á presença do juiz e um dos indivíduos foi solto. Paradoxal, não?
Bom feriado!

António Lisboa Gonçalves disse...

Caro Barão:
Isto é de bradar aos céus!!!
Agora vai caír tudo em cima do agente, só por ter cumprido o seu dever, agindo contra uns malfeitores que "só" não pararam e se colocaram em fuga.
Quem não queria ser agente das forças policiais, eu sei quem era, é que com tanta "protecção" ao delinquente, é preciso pensar 2 ou 3 vezes antes de utilizar a arma, e isso pode ser fatal!

Assim não vamos lá!
Um abraço.

¦☆¦Jøhη¦☆¦ disse...

Muito mal vai o nosso país, onde os criminosos são soltos e os agentes da autoridade presos! Recordo-me bem de algo passado aqui mesmo em Evora, onde um polícia foi preso por cumprir o seu dever... enfim, também eu estou solidário com esses agentes que agora estão a pagar o preço do cumprimento do dever. E o que origina isto? Para a próxima, outros agentes pensarão várias vezes antes de tentarem cumprir o dever... talvez uma dessas "pobres vitimas da brutalidade policial" fuja e vá passar por cima de um qualquer membro do governo (o que duvido, uma vez que estes andam sempre bem guardados... porque será?)

Um abraço e bom feriado.

João

cinderela-dos-pes-grandes disse...

Eu diria que os media que fizeram toda a esquizofrénica propaganda de coitadinhos-levaram-tiros-os-inocentes deviam ser MULTADOS por ofensa às autoridades e incitamento ao crime!!... Talvez assim passassem a dar NOTÍCIAS dignas desse nome, em vez de brincarem ao toca e foge com a informação!...
Mas, claro, a nossa legislação não deve prever nada disso, porque dá sempre jeito criar este clima para passar entre os pingos da chuva!
Inquérito aos factos é uma coisa, propaganda descarada a favor de quem infringe a lei é outra: parece-se muito com transformar irresponsáveis em heróis da treta! E qual a razão de não se esperar pela conclusão do inquérito antes de mandar palpites para o ar?... Aposto que se o polícia for inocentado, nem sequer DÃO A NOTÍCIA nesses mesmos jornais.
Lamento que Sousa Tavares, cujas intervenções muitas vezes apreciei, ande ultimamente tão falho de bom senso! Mas talvez se lembre do que disse agora se um dia for assaltado!...

xicoxperto disse...

Ninguém mais do que eu terá motivos para detestar as forças policiais deste país, pelo que sempre fizeram contra os trabalhadores com salários em atraso, como se fosse desígnio das forças de segurança pública zelar, apenas, pela segurança dos poderosos que nos roubam descaradamente. No entanto, sempre terão o meu apoio quando o merecerem e neste, como em muitos outros casos, em que três "pastorinhos" fugiram durante três quilómetros sem terem feito mal a ninguém, só restava à GNR darem-lhes as "azinhas" que compete a qualquer anjinho ter. Pena, como diz um dos comentadores, não terem despachado todos. Também começo a estar farto de uma polícia que só tem ordem para malhar nos manifestantes com salários em atraso e que deixa os meliantes fazerem tudo o que lhes apetece.
Viva uma GNR e PSP que defenda, verdadeiramente, os cidadãos honestos e puta que pariu os vagabundos e mais quem os defender.