sexta-feira, junho 16, 2006

Os Parolos e os Labregos

Suponho, que viram a cerimónia de abertura do Mundial, que parolice, aqueles Alemães são do mais piroso que deve existir. Então vão usar a cerimónia de abertura do campeonato do mundo de futebol, cerimónia vista por milhões de pessoas por esse mundo fora, dizia eu, vão abrir a cerimónia com folclore, com gajos vestidos de calções de cabedal a tocar chocalhos e a dançar danças tradicionais da sua cultura, mostrando assim a sua raiz etnográfica e cultural ao mundo, que parolos, que idiotas, se fosse cá em Portugal a coisa seria realmente boa, com uma boa dose de Rap ou hip-hop, à mistura com umas coreografias intrincadas para aguçar o engenho e despertar o sono, ou ainda com uma boa kizomba, que como se sabe é uma música tradicional portuguesa.
Os Alemães são uns parolos de primeira, onde já se viu elevar o Folclore à dimensão de espectáculo cultural, que tristeza, deviam vir a Portugal, nós cá é que sabemos da poda, Folclore vem no fim do cartaz e quando não existe mais nada, serve só para encher e para os velhadas estarem de boca aberta.
Por cá os labregos, voltam a fazer das suas, não saber o hino pode vir a ser factor de não atribuição da nacionalidade portuguesa, caramba vamos perder 9 milhões de almas, a maioria não sabe o hino, num jornal diário, 4 entrevistados, achavam mal esta medida, confessando que dos 4 só 1 sabia o hino nacional, outra novidade que já deu discussão ao mais alto nível, tem sido a questão da bandeira nacional, com o afã nacionalista do mundial, andam aí uns labregos a usar as cores nacionais, para vender publicidade, um ilustre constitucionalista disse, e eu concordo, que isto é uma questão de civismo, não é uma questão criminal.
Numa e noutra situação, fica bem patenteado os labregos que somos, não temos respeito por quem somos, pelo que fomos e muito menos pelo que iremos ser, como diz um amigo meu”Pá se os gajos de valor foram os que se meteram ao mar para ir descobrir outras terras, o que cá ficou foi a escumalha, o que explica bem porque está esta terra como está”.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

9 comentários:

Aragana disse...

Essa de quem nao saber o hino perde a nacionalidade está o máximo!

E quanto à tua sátira.. pois.
Ainda bem que eu vivo numa terra onde as gentes jovens ainda dão valor à cultura regional. ainda vão dando....

Beijos

Lumife disse...

E muito mais haveria para dizer...

Um abraço

Lua disse...

Reflexões pertinentes...

Bom fim de semana, Barão!

Beijinho e obrigada pela passagem-

Teresa Durães disse...

Bom fim de semana, paladino ;)

SA disse...

pá labrego não... matarroanos é que é cool. Muito obrigado pelo comentário que deixaste no meu post. Descansa que não me vou esquecer de ti quando daqui a uns anos for rica e famosa. lololol. aliás não é toda a gente que tem um amigo chamado "barão de tróia". é chique. roam-se lilis caneças deste país

Nevrótica Aluada disse...

Seleccionador, que é seleccionador devia saber o hino pah! Não é vender relógios da selecção às 3 horas da madrugada na Tv Shop. Portugal é um país adorável, solidário, fashion, segue sempre as últimas tendências merdosas, é um “país irmão”, atrela agora uma cultura de rua buéda perigosa repleta de gajos a grunhir e do não tuning, mas si, xuning rula!
Consta que o novo hino do PS em 2008 vai ser do Boss AC yooooooo… tasse!

Dave disse...

Dizia, o senhor e, muito bem que nós, somos uns parolos, somos uns parolos sim, tão parolos, que nem sabemos colocar uma virgulazinha no sítio, isto custa e obviamente só nos faz parecer ainda mais ridículos ainda que tentemos escrever uma sátira com um pH mais elevado do que era suposto ter, não é? Pseudo-Saramagos há muitos, só que uns escevem com mais "k"s que outros, mas espere, espere, que ainda vou escrever qualquer coisa interessante, estou só a ganhar o fôlego no fim de ler tanta frase sem pontuação esclarecora. Uff...

A coisa interessante é: penico. Esta palavra resume toda a nossa cultura, pelos vistos. É uma tristeza este país, não é? Que maçada... Não se quer mudar para o estrangeiro, senhor Doutor Barão? Procurar novidade, sair daqui... e que tal pensar nisso?

Fernando Bravo disse...

Tudo isso é verdade, mas que achei a cerimónia de abertura um bocado pindérica, achei...

Manel do Montado disse...

Caro Barão,

Há um estudo elaborado pela Harvard University e pelo American Prodigies Research Center, sobre estudantes portugueses nos Estados Unidos, em que se chega à conclusão que o país europeu que mais “exporta” talentos é Portugal.
O estudo refere um português que agora é chefe de Departamento de Tecnologias Espaciais da Boeing, mas emprestado à NASA, o qual referiu que no seu país lhe foi negada a candidatura ao Doutoramento por “Impraticabilidade da Tese”, a mesma que lhe conferiu o Doutoramento nos EUA e que agora aplica na sua profissão.
Em Portugal é hábito os Catedráticos “agarrarem-se “ às cadeiras e eliminarem todo aquele aluno que lhes possa fazer sombra. No nosso país habituamo-nos a ver sempre os mesmos na televisão como se fossem os únicos detentores da verdade científica e académica, fazendo crer que para além deles existe o obscurantismo e o desconhecido.
Pobre país que se contenta com futebóis…
Os alemães com tudo o que têm de bom e de mau preservam a sua cultura como tão bem fazes notar de forma irónica, enquanto por cá importamos formas de musicalidade que não nos dizem nada e que aqui não têm raízes nenhumas.
Concordo por inteiro com o que o teu amigo diz sobre os talentos…e de que maneira.
Um abraço.