segunda-feira, junho 19, 2006

O que eu penso sobre…

As migrações, foram e serão sempre factores de destabilização, por mais afinidade que o migrante tenha para com local onde decide ficar a residir, o choque é inevitável, em maior ou menor grau. Os Europeus de hoje assistem aos primórdios da mudança, nada que não tenha acontecido ao longo da história, a Europa está em mutação, as migrações vem mudar a face desta velha e gasta Europa, do inevitável caos que mais 100 menos 100 anos se irá dar, esperemos que renasça uma nova Europa, capaz de corresponder aos desafios que lhe serão postos.
A Europa soçobra, vitima do seu próprio sucesso, a miragem do Eldorado, faz acorrer a este continente, gentes dos quatro cantos do mundo, acontece porém que a este ritmo, o que nos espera a todos é a falência, a insolvência a desordem a fome e o caos.
Catastrofista pensarão alguns, não realista, sendo que isto não passa de uma mera hipótese e se tudo correr bem daqui a 100 anos o meu trineto lerá estas linhas e dirá; este meu antepassado era um cromo dos difíceis.
Vejamos, os sistemas desta Europa socializante e social, estão esgotados, estão em falência ou em pré falência, França, Reino Unido, Holanda, Alemanha tal como Portugal, estão com a sua segurança social à beira da ruína. As causas desta ruína, são iguais em todos os sítios, a própria Suécia está a experimentar problemas nesta área. O envelhecimento da população as baixas taxas de natalidade, a pressão das populações de migrantes, vindas de países do terceiro mundo, a crise económica, a má gestão, são as causas próximas.
O modelo do Estado previdência está esgotado, está em crise, a Holanda vai aprovar uma legislação que impõe a todos os não nacionais, que queiram residir em território holandês, a obrigatoriedade de frequentar um curso de 600h, para depois fazer um exame para a obtenção da nacionalidade holandesa, tendo o prazo de 5 anos para realizarem o curso e o exame, findo o qual serão multados, e finalmente expulsos do país. Sim isto vai acontecer na Holanda, o paradigma europeu da liberdade e igualdade, porquê?
Simples, porque os holandeses estão fartos de alimentar e engordar quem depois lhes morde a mão. Esse é um facto, que ocorre em todos os locais onde existem grandes comunidades migrantes. Estou a culpar os migrantes, não. Estou simplesmente a constatar que eles são parte da equação do problema, talvez nem sejam a parte mais importante.
A Europa como a conhecemos, é uma espécie ameaçada, se acabar não será necessariamente mau, a evolução talvez traga o advento de um avanço da espécie que permite outras visões sobre o mundo, visões mais solidárias, mais humanistas, agora que temos um problema, temos, que não conseguiremos auto-financiar este estado providência, por muito tempo, não conseguiremos. Devemos fechar as fronteiras, talvez quem sabe, devemos expulsar os migrantes ilegais, estou inclinado para o sim, mas também tenho dúvidas, precisamos de migrantes, não creio.
Precisamos de pensar muito, de reflectir ainda mais, de repensar e de voltar a reflectir, sim sem dúvida, posições extremistas quer dos racistas de extrema-direita e extrema-esquerda quer do liberalismo de porta aberta da esquerda radical, não são boas soluções, o bom senso tem de imperar.
Só uma coisa é verdade, algo tem de ser feito, pois corremos o risco grave de passarmos de espécie ameaça a espécie em vias de extinção.

Um abraço, deste vosso amigo
Barão da Tróia

5 comentários:

Teresa Durães disse...

Um filme a não perder "Os Lisboetas", cinema Nimas, Lisboa, (bom, um documentário), sobre os emigrantes em Lisboa.

Já agora, andar para quê???

an ordinary girl disse...

ok. Opiniões. Gostei de ler.

Casemiro dos Plásticos disse...

Sempre a opinião como deve de ser!
respeita-se!

Castanheira Maia disse...

A opinião tem que ser fundamentada com argumentos válidos, quando é assim gosto de ler.

[ CJT ] disse...

não contando com os novos tipos de migrações (mais?) que se irão desenvolver. é que o aquecimento global, em que os americanos já passaram a acreditar, irá originar um surto de "fuga às marés" e um êxodo sul-norte. inevitável.
como resolver o assunto?
não vai ser com o fecho de fronteira ou com o erguer de muros... isto ultrapassa quaisquer condicionantes políticas ou económicas que queiramos erguer como estandarte. já agora, creio ser nosso dever o acolhimento das populações em desespero vindas de áfrica e dos países de leste. num futuro, acho que irá tornar-se numa inevitabilidade. isto, querendo nós continuarmos humanos...

abraço,
ct